No meu período de experimentação de safado, conheci uma menina do meu curso técnico com quem me dava muito bem. Era uma bela flor, todavia não pude tocar em suas pétalas, apenas vivenciar um fora especial, para não dizer idiota.

Tudo ocorreu quando teríamos uma aula extremamente pé no saco em uma sexta a noite. Naquela noite estava acontecendo no centro da cidade uma festa típica do bairro, não lembro exatamente do que, mas tinha um monte de barraquinhas vendendo pastel, cachorro quente, e tinha umas bandas tocando, 2002 ainda...

Estava nessa festa eu e essa bela flor, na qual "decidi" investir. Digo isso entre aspas porque fui com uma tal vontade que era como se eu estivesse pedindo desculpas por chegar mais perto dela. Ela olhava, sorria, e me perguntava se estava tudo bem. Nisso, bem ao estilo "calça cagada", perguntei se ela não queria ficar comigo. Bem, é óbvio que tomei um não na cara.

A riqueza daquele fora, apesar de ter me sentido o mais idiota dos idiotas, foi ter aprendido sobre a sensibilidade das mulheres: mesmo que você tenha um puta plano na cabeça pra chegar numa garota, se você não confia nele, a mulher saberá isso na mesma hora. As posturas estúpidas que eu tive de "pedir pra ficar comigo", em um tom de voz como alguém que está pedindo um favor, se não desculpas, rebaixou a relação de sedução a uma relação de esmola, de alguém que mendiga um favor, um beijo. A noite serviu para tomar um bom quentão, aliviando o desejo carente de meus lábios.
 


Comments




Leave a Reply